[ editar artigo]

Série cristã discute dilemas de adolescentes no mundo tecnológico

Série cristã discute dilemas de adolescentes no mundo tecnológico

Por que uma série cristã precisa discutir os dilemas de crianças e adolescentes no mundo virtual? Porque o assunto faz parte da vida deles. Pesquisa TIC Kids Online, divulgada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, aponta que 82% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos no brasil são usuários de internet. Uma outra pesquisa, da Intel Security, em nível mundial, mostrou que menos 66% adolescentes entre 8 e 16 anos de idade (em um universo pesquisado de 507) afirmaram ter presenciado agressões nas mídias sociais.

E quando se fala de dependência tecnológica, outro fenômeno associado ao grande fluxo de crianças e adolescentes no universo digital, os dados são igualmente contundentes. Avaliação da Universidade Federal de São Paulo apurou que, entre 264 estudantes na faixa de 13 a 17 anos, 68% puderam ser classificados como dependentes moderados das tecnologias, enquanto 20% se mostraram graves dependentes.

 

- 10 - A vida não é um jogo

 

É nesse contexto que a plataforma Feliz 7 Play lançou mais uma série, dessa vez com a intenção de discutir o assunto. A produção – 10 – A vida não é um jogo promete abordar a temática da relação entre adolescentes e tecnologia por um olhar cristão. A roteirista Luciana Costa explica que a ideia foi mostrar como a rotina de um grupo de adolescentes se transforma depois que um deles decide participar de um jogo online. Esse jogo é baseado no cumprimento de desafios estipulados por administradores anônimos. “Como, eu tenho uma filha adolescente, converso muito com ela, vejo que o avanço da tecnologia tem uma ligação direta com esta geração, conectada 24 horas por dia, na maioria das vezes”, ressalta.

 

10 capítulos com 10 minutos

 

A nova série, produzida por Feliz 7 Play e Seven Filmes, tem 10 capítulos, de aproximadamente 10 minutos cada. No elenco, dois atores, Lyvia Maschio, que faz a personagem Clara e Renato Cavalcanti, que interpreta Caio, são experientes por conta da participação em outras produções. A série aborda trata, portanto, de temas atuais e controversos como o perigo das redes sociais, questões familiares, amizade, bullying, em uma linguagem totalmente voltada a esse público mais adolescente.

A intenção da série, para Luciana, é provocar reflexão e fazer as pessoas pensarem até que ponto as pessoas são manipuladas, dominadas, influenciadas pelas redes sociais e, também, a respeito das consequências dos seus atos.

Clube Minha Série
Felipe Lemos
Felipe Lemos Seguir

Jornalista, mestre na linha de Comunicação das Organizações, com experiências em jornalismo de rádio, impresso, TV, assessoria de imprensa e atualmente gerente da Assessoria de Comunicação da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul.

Ler matéria completa
Indicados para você